Home » Cadeia do Leite » Queijo colonial turbina renda que vem do leite

Queijo colonial turbina renda que vem do leite

13/11/2017 10:37:05 - Por: GaúchaZH. Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Produtores de Nova Bassano investiram na criação de gado leiteiro e, mais recentemente, em agroindústrias familiares.

Responsive image
Nova Bassano hoje tem mais vacas do que habitantes. Maior produtora de leite na Serra, com 57 milhões de litros gerados por ano, o município de 8,8 mil pessoas conta com 10,5 mil cabeças de gado leiteiro.

A produção ganhou musculatura nos últimos anos e ocasionou profunda mudança no perfil econômico do local. Diversas famílias de agricultores trocaram os hortifrutigranjeiros pelo leite. E parte agregou valor ao produto gerado pelos rebanhos.

É o caso da produtora Rejane Tessaro. Seu avô começou na atividade rural com o plantio de frutas e verduras, como repolho, pimentão e tomate. A criação de vacas leiteiras era uma atividade secundária. Oito anos atrás, o perfil de produção se transformou.

Resultado turbinado

O baixo preço das frutas e verduras e o desgaste na saúde da família em razão do uso de daquela época, o plantel cresceu. Passou de 30 para 50 vacas em lactação, sendo 40 da raça holandesa e 10 da jersey.

A maior mudança, entretanto, ocorreu em 2011, quando Rejane liderou a implantação de uma queijaria. Desde então, o foco é a fabricação de queijos. A produtora toca o negócio ao lado do marido e seus pais, além de dois funcionários. O novo produto garantiu incremento significativo na renda familiar.

– Meu sonho sempre foi ter algo próprio. E queríamos agregar valor à matéria-prima que produzíamos. Arriscamos com a queijaria e deu certo. Nossa renda anual é 30% maior do que se só vendêssemos leite – explica Rejane.

Os 1,2 mil litros captados diariamente são transformados em cerca de três toneladas de queijo colonial a cada mês. A venda ocorre principalmente em pontos localizados em Nova Bassano e na vizinha Serana Corrêa. A estrutura ainda tem condições de produzir manteiga e iogurte.

Instabilidade no mercado

A maré não anda favorável para os produtores leite. No Rio Grande do Sul, mais de 20 mil pessoas deixaram a atividade nos últimos dois anos, conforme a Emater. Um dos principais motivos é o baixo preço do alimento. No Estado, o valor líquido do litro pago ao produtor em outubro foi de R$ 0,95, conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP). Em agosto do ano passado, a remuneração chegou a R$ 1,64 por litro.

– Se não mudar a situação, parte da produção vai morrer mesmo. É a pior crise desde que começamos a investir no leite. Em cada litro vendido hoje, temos prejuízo de R$ 0,20 – lamenta o produtor Itamar Tang, de Farroupilha.

Impacto das importações

A concorrência com o leite do Uruguai agrava a situação. O alimento do país vizinho vem principalmente em forma de queijo e leite em pó e chega com preço mais competitivo no mercado nacional. Em razão da crise, o Ministério da Agricultura suspendeu, na primeira quinzena de outubro, a emissão de licenças de importação dos derivados do produto do Uruguai para avaliar se não estava ocorrendo triangulação – quando um país compra de terceiros e comercializa utilizando benefícios fiscais, no caso, por integrar o Mercosul. A medida foi suspensa na última segunda-feira.

Os produtores se mobilizam para pedir ao governo federal o controle da compra no Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat), lembra que a adoção de cotas já ocorre sobre o leite da Argentina e defende a limitação de 3 mil toneladas ao mês também para os uruguaios.

– Neste ano, o Uruguai colocou em torno de 6 mil toneladas por mês de queijo e leite em pó no mercado brasileiro. No ano passado,foram 10 mil toneladas por mês. Esse volume prejudica o crescimento da bacia leiteira do Rio Grande do Sul e do Brasil – alerta o dirigente, ressaltando que a redução das importações foi insuficiente para amenizar os impactos.