Home » Cadeia do Leite » NZ: produtividade das vacas leiteiras registra recorde

NZ: produtividade das vacas leiteiras registra recorde

30/11/2017 09:27:27 - Por: Otago Dairy Times, traduzidas pela Equipe MilkPoint

Os rebanhos nas mãos de proprietário-operador aumentaram em 188, para 8.503 rebanhos em 2016-17.

Responsive image
O rebanho leiteiro da Nova Zelândia pode estar encolhendo, mas, ainda está produzindo volumes recordes de leite. Os últimos dados do New Zealand Dairy Statistics mostram que a vaca média produziu mais litros de leite (nos 12 meses - até junho - em níveis recordes) e também, com mais quilos de sólidos. Esse animal produziu 4.259 litros de leite, contendo um total de 381 kg de sólidos do leite, em comparação com 4.185 litros e 372 kg de sólidos do leite em 2015-16.

Tanto o número das vacas leiteiras quanto o do rebanho caíram pelo segundo ano consecutivo; os últimos dados eram de 4,86 milhões de vacas a nível nacional, abaixo dos 4,99 milhões em 2015-16, enquanto o número de rebanhos caiu em 170, para 11.748. Esse declínio refletiu as condições difíceis da primavera e dois anos de altos números de abates após os baixos preços do leite. Enquanto os rebanhos leiteiros da Ilha do Sul representavam 27,4% do total nacional, continham 40,4% de todas as vacas em lactação. A maioria estava na região de Waikato (23%), seguido por North Canterbury (13,8%), Southland (11,6%) e Taranaki (9,7%).

Otago tinha 439 rebanhos, que incluíam 256.497 vacas, constituindo 5,3% do rebanho nacional, enquanto Southland tinha 989 rebanhos, com 563.017 vacas. Apesar do declínio no número de vacas, as empresas leiteiras processaram quantidades de leite muito similares - 20,7 bilhões de litros de leite contendo 1,85 bilhão de quilos de sólidos do leite em 2016-17. A estação anterior foi de 20,9 bilhões de litros de leite (1,86 bilhão de quilos de sólidos do leite).

O economista sênior da DairyNZ, Matthew Newman, disse que a tendência de aumentar a produção de leite por vaca mostrou que os produtores optaram por animais que eram mais eficientes em converter pastagem em leite com relação ao ano anterior.  "Estamos produzindo quantidades de leite similares a partir de menos vacas, em parte, porque estamos criando melhores animais e os alimentando bem", disse ele. O rebanho médio é agora de 414 vacas, abaixo de 419 em 2015-16. Foi o nível mais baixo de vacas ordenhadas desde 2012. O número de vacas da Ilha do Norte diminuiu em 90.000 para 2,89 milhões, enquanto o número da Ilha do Sul caiu em 46.000 para 1,97 milhão.

O gerente geral de mercados da Nova Zelândia da Livestock Improvement Corporation (LIC), Malcolm Ellis, disse que as estatísticas refletiram uma mudança na indústria. "Os produtores estão reconhecendo que, como uma indústria, se eles não estão ordenhando um maior número de vacas, precisam ordenhar as melhores”.

As mudanças nas raças leiteiras continuaram. Os cruzamentos das raças Holstein-Friesian/Jersey agora compreendem 48% das vacas, acima dos 40% em 2010-11. Holstein-Friesians constituem 33,5% do rebanho nacional e as Jerseys, representam 9,3%.

As estruturas de propriedade das fazendas mudaram ao longo das últimas estações, com 27,3% dos rebanhos leiteiros da Nova Zelândia operando sob um acordo de sharemilking (o sharemilker é responsável por operar a fazenda em nome do proprietário, mas não possui a terra e, em contrapartida, recebe uma parte dos rendimentos da venda de leite e qualquer outra coisa produzida fora da terra, como por exemplo, silagem) em 2016-17, contra 32,4% em 2014-15. Os rebanhos nas mãos de proprietário-operador aumentaram em 188, para 8.503 rebanhos em 2016-17.