Home » Cadeia do Leite » Queda nas exportações de produtos lácteos dos EUA "não é uma crise", diz o vice-presidente do USDEC

Queda nas exportações de produtos lácteos dos EUA "não é uma crise", diz o vice-presidente do USDEC

14/12/2017 08:56:31 - Por: Dairy Reporter, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

Uma queda clara pode ser observada nas exportações norte-americanas de leite em pó desnatado que caíram 34% em outubro em relação ao mesmo mês do ano passado.

Responsive image
As exportações de produtos lácteos dos EUA caíram para menos que os níveis de 2016, declinando 11% em volume em outubro em comparação com o ano anterior, direcionado pelo declínio do leite em pó desnatado, de acordo com os dados do Conselho de Exportações de Lácteos do país (USDEC). "Não é uma crise para nós, mas não estamos recuperando terreno ou roubando participação de mercado", disse o vice-presidente de comunicações e análises de mercado na USDEC, Alan Levitt.

Outro ponto a se considerar é que 2016 foi um ano atípico em termos de exportações de lácteos recordes; portanto, não é surpreendente que os volumes de exportação do ano até agora estejam baixos. "Na segunda metade do ano passado, a produção de leite da União Europeia (UE) caiu 3%, e a da Nova Zelândia estava baixa - isso criou algumas oportunidades para nós, então as exportações aumentaram", disse Levitt. "Enquanto que neste ano, todos têm mais leite, mesmo os países que historicamente não participavam, como Canadá e Turquia".

Levitt acrescentou que a maioria dos compradores supriu sua demanda por leite em pó desnatado e tornaram-se um "pouco complacentes", de forma que não estão tão interessados nas exportações de leite em pó no momento. Uma queda clara pode ser observada nas exportações norte-americanas de leite em pó desnatado que caíram 34% em outubro em relação ao mesmo mês do ano passado, direcionado pela diminuição das vendas para México, Filipinas e sudeste da Ásia.

"A demanda do mercado mundial por leite em pó está realmente fraca agora mesmo e não há muitas perspectivas de que ela vá aumentar em breve. Há muita oferta por aí e todos estamos competindo por essa demanda finita". Como resultado, os estoques dos EUA de leite em pó desnatado atingiram um recorde no final de outubro de 149 mil toneladas, e o excesso de oferta global levou os preços a uma baixa de 14 anos, de acordo com a USDEC.

O México, maior parceiro comercial de produtos lácteos dos EUA, diminuiu sua dependência das exportações de leite em pó desnatado dos EUA no ano passado (43.319 toneladas em outubro de 2016 caindo para 23.872 toneladas em outubro de 2017).

No entanto, outros mercados como o Canadá (+415%) e a UE (+153%) intensificaram suas exportações de leite em pó desnatado ao México, com a UE aumentando sua participação nas importações de 3% em 2016 para 15% em 2017.
Isso pode significar que outros mercados estão visando mais agressivamente o México, ou o México é mais receptivo ao comércio com outros países, disse Levitt. 

Um possível ‘ponto brilhante’ para as exportações de produtos lácteos dos EUA é o soro de leite, que atingiu volumes máximos históricos em 2017, com embarques de produtos de soro modificados (principalmente permeado) mostrando crescimento especialmente forte, principalmente proveniente da China.

As exportações totais de produtos de soro aumentaram 9% em outubro, elevando o aumento até agora nesse ano para 8%, de acordo com o USDEC. As exportações de soro modificado aumentaram 20% em outubro, enquanto as vendas de concentrado de proteína do soro do leite 15%, e as exportações de isolado de proteína do soro do leite aumentaram 22%.

Aproximadamente 40% das exportações de soro dos EUA vão para a China e a expectativa é que o comércio global de soro cresça 4,6% anualmente até 2021, à medida que os consumidores buscam incorporar mais proteínas em suas dietas.