Home » Cadeia do Leite » Em novembro, exportações de lácteos dos EUA alcançaram volumes mais altos em um ano

Em novembro, exportações de lácteos dos EUA alcançaram volumes mais altos em um ano

12/01/2018 11:00:16 - Por: Alan Levitt, vice-presidente de comunicações e analista de mercado do Conselho de Exportação de Lácteos dos Estados Unidos (USDEC)

As exportações dos EUA foram avaliadas em US$ 474 milhões, um aumento de 8%.

Responsive image
As exportações de produtos lácteos dos EUA em novembro foram as mais altas em mais de um ano, estimuladas pelo recorde de vendas de produtos de soro de leite, fortes vendas de queijo e leite em pó e melhora dos volumes de gorduras. Os fornecedores enviaram 173.269 toneladas de leite em pó, queijo, manteiga, soro do leite e lactose em novembro, 6% a mais que o ano anterior e o maior volume total desde outubro de 2016. As exportações dos EUA foram avaliadas em US$ 474 milhões, um aumento de 8%.

As exportações totais de soro totalizaram 50.590 toneladas, um aumento de 10% com relação ao ano anterior. As vendas para o Sudeste Asiático (+ 22%) e a China foram as mais altas do ano, embora o total da China ainda tenha sido tímido no ano passado (-7%). As vendas para a Coreia do Sul (+ 34%) e Japão (+ 78%) também foram fortes.

As exportações de soro de leite modificado cresceram 18% em novembro (lideradas por fortes vendas para a China), enquanto as remessas de soro de leite desidratado aumentaram 15% (lideradas pela China e Sudeste Asiático) e as exportações da proteína do soro do leite concentrada cresceram 7% (boas vendas para o Sudeste Asiático, mas compensadas por menores vendas para a China). A proteína do soro do leite isolada foi a que teve resultados mais diferentes da categoria, ficando em 23% a menos que no ano anterior. Os fornecedores desse produto registraram vendas recordes ao Japão, mas uma queda nas vendas para China, Canadá e União Europeia.
As exportações de queijo foram de 29.284 toneladas em novembro, um aumento de 17% em relação ao ano anterior. As vendas para a Austrália foram mais do que o triplo do volume do ano anterior, e as vendas para o Oriente Médio/África do Norte (MENA) e para o Sudeste da Ásia mais do que duplicaram. Enquanto isso, as exportações para o México e a Coreia do Sul se mantiveram estáveis, e o Japão registrou o menor volume em 10 meses.

As exportações de leite em pó desnatado em novembro foram de 55.044 toneladas, maior volume desde maio, embora ainda 1% menor em relação ao forte volume do ano passado. Em novembro, as vendas para o Paquistão aumentaram em quase quatro vezes e as vendas para a região MENA (Médio Oriente Norte da África) mais do que duplicaram em relação ao ano anterior. As exportações para o México e a China também foram maiores. No entanto, as vendas para o Sudeste Asiático - Filipinas e Vietnã, em particular – continuaram caindo (-26% com relação ao ano anterior).

As exportações de gorduras do leite (butterfat) foram de 3.590 toneladas em novembro, 39% maiores e o maior volume em quase dois anos. As vendas para a região MENA (principalmente Arábia Saudita, Egito e Marrocos) foram quase o triplo do ano anterior. As vendas para o México também foram maiores.

As exportações de lactose permaneceram estáveis com relação ao mês anterior. Os volumes de novembro diminuíram um pouco em relação ao ano passado, com vendas mais fortes para o Sudeste Asiático, compensando um declínio nos embarques para a Nova Zelândia.

As exportações de leite/creme caíram 38% em novembro, com queda acentuada nas vendas para o Canadá (-82%). No quarto trimestre de 2016, o Canadá comprou mais de 20 mil litros, um volume não alcançado em 2017. Em contraste, os embarques para o México aumentaram 72%.

Na base de sólidos totais do leite, as exportações dos EUA foram equivalentes a 16,1% da produção de leite dos EUA em novembro, a porcentagem mais alta desde outubro de 2016. As importações foram equivalentes a 3,5% da produção. Nos primeiros 11 meses de 2017, as exportações representaram 14,5% da produção sólidos do leite.