Home » Cadeia do Leite » Shefa vai apresentar novo plano de recuperação aos credores em março

Shefa vai apresentar novo plano de recuperação aos credores em março

02/02/2018 09:15:25 - Por: Valor Econômico

Credor BS Factoring obteve liminar do TJ e poderá votar em separado na assembleia do dia 22.

Responsive image
A assembleia geral de credores da Agropecuária Tuiuti, dona da Shefa, foi suspensa ontem e será retomada no dia 22 de março, quando a companhia apresentará um novo plano de recuperação judicial. A empresa de lácteos, que pediu recuperação judicial há um ano com dívidas de cerca de R$ 220 milhões, havia apresentado um plano em maio, mas solicitou a suspensão da assembleia ontem para que possa fazer uma nova proposta, o que foi aceito pela maioria dos credores.

A suspensão acontece após um dos credores da Shefa, a BS Factoring, ter obtido liminar no Tribunal de Justiça de São Paulo para que possa votar na assembleia. A BS, controlada por Francisco Benedito da Silveira, havia sido impedida de dar seu voto por determinação do juiz Fernando Leonardi Campanella, da 1ª Vara do Foro de Amparo (SP), onde corre o processo de recuperação judicial do laticínio Shefa.

Campanella tomou a decisão, no dia 12 janeiro, baseado em apuração realizada após pedido de impugnação de créditos da BS Factoring (de R$ 82,7 milhões) pelo credor Kobold Mercantis e Financeiros, que alega que os créditos da BS na recuperação judicial seriam uma fraude. Segundo o Kobold, o crédito "é fruto de uma fraude" montada por Silveira, controlador da BS Factoring, "o qual, valendo-se de duas interpostas pessoas (João Sidnei Silveira Leite e João Edson Sório) comprou todas as ações da empresa recuperanda junto aos antigos sócios-proprietários", a família Benedictis, por meio de "contrato de gaveta".

Em sua decisão do mês passado, Campanella diz que "pelos elementos colhidos [na apuração], Francisco [Silveira] pode ser reputado como controlador da recuperanda e, nessa condição, (...) sua empresa BS Factoring está vedada de votar na assembleia geral de credores".

Mas o controlador da BS recorreu no dia 24 de janeiro, afirmando não ser controlador da Shefa, e o Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu liminar para que o credor vote "em apartado".

De acordo com Fernando Pompeu Luccas e Filipe Marques Mangerona, da Brasil Trustee Assessoria e Consultoria, administradora judicial da Shefa, com a decisão do TJ o voto da BS será colhido em separado. Assim, em um cenário, a BS vota e em outro, apenas os demais credores participam da votação do plano. Com a liminar do TJ, as apurações sobre as relações da BS e da Shefa continuam.

Procurado ontem, o advogado que representa a BS Factoring, Gilmar Menighini, não retornou à ligação da reportagem.

O plano de recuperação original apresentado pela Shefa em maio propunha longos prazos para quitação de dívidas e deságios de até 60% no valor dos débitos.