Home » Cadeia do Leite » Rebanho leiteiro dos EUA mantém expansão lenta e estável

Rebanho leiteiro dos EUA mantém expansão lenta e estável

23/08/2017 08:50:01 - Por: Dairy Herd Management, traduzidas pela Equipe MilkPoint

O rebanho de vacas leiteiras dos Estados Unidos expandiu-se em 50 mil cabeças de dezembro passado até junho.

Responsive image
O rebanho de vacas leiteiras dos Estados Unidos expandiu-se em 50 mil cabeças de dezembro passado até junho. Cada mês registrou um pequeno ganho, sendo o maior em março com um aumento de 18.000 cabeças. O último mês reportado, junho, teve o menor aumento, de apenas 4.000 vacas.

A produção de leite durante o trimestre de abril a junho cresceu 1,8% com relação ao ano anterior, impulsionada por uma melhora de 1,0% na produtividade das vacas leiteiras. O Texas representou a metade do aumento do número de vacas. A expansão do rebanho de Novo México, Arizona, Colorado e Utah adicionou mais de 21 mil cabeças. Fora desta região, apenas Nova York (mais 4.000 vacas) apresentou um aumento de mais de 2.000 cabeças. A Califórnia reduziu sua população de vacas leiteiras em 6.000 de dezembro a junho, com um declínio de 3.000 cabeças em junho.

O aumento do rebanho de vacas leiteiras é apoiado por 4,754 milhões de novilhas leiteiras no início do ano que se destinavam a substituir ou expandir o rebanho leiteiro existente. Embora este número tenha baixado em 60 mil cabeças desde o início de 2016, ainda era o segundo maior rebanho de novilhas leiteiras desde meados da década de 1980. 

Os preços do leite em relação aos custos dos alimentos animais declinaram até agora neste ano, ainda que o nível absoluto de preços do leite em relação aos custos dos alimentos animais esteja maior do que na maioria dos anos desde 2011. A tendência decrescente da razão entre o preço do leite e dos alimentos animais parece estabelecer um padrão para a taxa em que o rebanho leiteiro vem se expandindo este ano. Isso levanta algumas questões sobre quanto mais expansão será observada no rebanho de vacas leiteiras durante o segundo semestre do ano.

A combinação de mais produção de leite este ano (um aumento de 1,4% em relação ao ano anterior durante o primeiro semestre do ano) e o consumo que tem sido variável em relação ao ano anterior levou à tendência de queda do preço do leite.

Os volumes de vendas de produtos de leite fluido caíram 2% em relação ao ano anterior durante o primeiro trimestre do ano e os dados preliminares para o trimestre de primavera mostram um declínio similar. Isso resulta em mais leite disponível para os mercados de queijos, manteiga e leite em pó, com preços mais baixos sendo uma alavanca necessária para melhorar o uso desses produtos.

Os preços mais baixos têm sido mais eficazes em incentivar as exportações do que o uso doméstico. Durante o primeiro semestre de 2017, o uso doméstico de manteiga manteve-se inalterado com relação aos primeiros seis meses do ano anterior.

O uso de queijos cresceu 0,7% em relação ao ano anterior de janeiro a junho. Estes dados implicam um leve declínio no uso per capita quando ajustado para os ganhos populacionais. Enquanto isso, as exportações de queijo no primeiro semestre deste ano aumentaram 24% em relação ao ano anterior e as exportações de manteiga aumentaram 83%.

As exportações de queijo para pizza estão se tornando uma característica da indústria de lácteos dos EUA, com as exportações representando cerca de 7% da produção dos EUA no ano anterior.